Câmara busca informações sobre o desastre do rio Doce

A Câmara Municipal de Aimorés promoveu no dia 16 de novembro, reunião com o objetivo de buscar informações e alternativas necessárias para amenizar o impacto que Aimorés e região está enfrentando pelo rompimento das barragens da empresa Samarco, ocorrido em Mariana-MG.

Estiveram presentes na reunião a deputada Celise Laviola; Prefeito Municipal Alaerte da Silva; Diretor do SAAE de Aimorés Sr. Wilson Teixeira Filho; Dr. Braulino Corrêa da Rocha Neto, Juiz de Direito da Comarca de Aimorés; Tenente Coronel da Polícia Ambiental de Aimorés Sr. Gilberto Gonçalves Crespo; Comandante da 49ª Cia da Polícia Militar de Aimorés, Capitão Gledson Pedroni; Representando o Ministério Público da Comarca de Aimorés os promotores Dr. Stéfano Naves Boglione e Dra Isabel Mendes Lomeu.

Colocações:

Prefeito Municipal Alaerte da Silva
“Aimorés tem a sorte de captar água no rio Manhuaçu, mas para a comunidade pesqueira foi um desastre. Vejo com preocupação a questão econômica no município, que certamente vai sofrer com este desastre ambiental.”

Wilson Teixeira Filho – Diretor SAAE Aimorés
“Temos no estado de Minas Gerais mais de 40 barragens de mineração. Precisamos solicitar aos órgãos federais mais fiscalização sobre essas licenças feitas para mineradoras. Sobre o desastre do rio Doce, Aimorés precisa contratar uma empresa para calcular valor do prejuízo da cidade, pois os sedimentos ficarão no leito do rio por anos e anos. Além do problema do rio Doce, lembramos que passamos por uma grande seca em todo o município e para isso, contratamos empresa especializada para cavar cinco poços artesianos: dois em São Sebastião da Vala, um em Conceição do Capim e um na Penha do Capim, amenizando assim o problema nestes distritos. Já em Santo Antônio do Rio Doce, o abastecimento está sendo feito por caminhões pipa. O SAAE de Aimorés está trabalhando  duro para garantir o abastecimento em todo o município.”

Tenente Gonçalves – Policia Ambiental de Aimorés
“A Polícia Militar de Minas Gerais vem buscando amenizar os impactos do desastre: em relação ao rio Doce, vem atuando no registro de ocorrências na medida que os municípios estão sendo atingidos, isso inclui a mortalidade de peixes e suspenção de captação de água para a população. “

Comandante da 49ª Cia da Polícia Militar de Aimorés Cap. Gledson Pedroni
“ O nosso trabalho como polícia ostensiva ordinária é com o patrulhamento para garantir a ordem pública e registrando a possibilidade crise e no combatendo ao crime, promovendo a paz social através do policiamento ostensivo. Além disso, a Polícia Militar de Minas Gerais montou um posto de comando em Governador Valares com Corpo de Bombeiros, Polícia Militar e Defesa Civil, onde estão fazendo o acompanhamento da situação do rio Doce, repassando esses dados para o Governo e órgãos superiores para garantir direito do ser humano de receber água.”

Promotoria de Justiça da Comarca de Aimorés Dr. Stéfano Naves Boglione
“A punição, neste momento, diante desta tragédia, é vazia, porque não traz o rio de volta. Temos que reunir dados que estejam causando algum tipo de ônus aos cofres públicos, para que em breve,  serem ressarcidos por quem causou o desastre, neste caso a empresa Samarco.”

Promotoria de Justiça da Comarca de Aimorés Dra. Isabel Mendes Lomeu
“Tragédia: não há denominação melhor, na minha opinião, de traduzir o que vivenciamos na região. O Ministério Público, desde o rompimento das barragens tem atuado de forma centralizada, por meio de coordenadorias regionais de meio ambiente e pelo centro de apoio operacional do meio ambiente. Foi instaurado inquérito civil destinado para apurar as causas e a dimensão dos danos.”

Deputada Celise Laviola
“No último sábado (14/11) recebi uma notícia de que iriam depositar a lama na chamada ‘cratera’  de Aimorés. Conversei com Dr. Mauri, representante da Samarco, que me garantiu que isso não ocorrerá. Minas Gerais e Aimorés não pode arcar com este prejuízo. Estive com o governador do Estado, que me apresentou projeto da Samarco que permite a limpeza da água, que já está sendo utilizado em Governador Valadares, e conforme apresentado por três laudos, atesta a boa qualidade da água, própria para consumo. Vamos buscar e garantir que Aimorés recebe toda a atenção necessário como Governador Valadares  e demais regiões estão recebendo.
 

Vereador Tião Molin
“Agradeço a todos as autoridades que compareceram a esta reunião, atualizando com informações a população de Aimorés sobre o desastre do nosso rio Doce. Estas reuniões são extremamente necessárias para unirmos forças em busca de respostas e soluções.”

Vereador Onair Vitorino Filho
O vereador Onair Vitorino Filho apresentou três perguntas:
1 – Os órgãos Federais e Estaduais de fiscalização também são responsáveis por esta catástrofe? Se não fiscalizaram corretamente, qual será a inciativa em relação a estes órgãos?
Resposta da Promotoria: “A competência de fiscalização é divida em vários órgãos e é necessário esclarecer que a apuração de eventual omissão em termos de fiscalização, também constitui no objeto do inquérito civil instaurado pela coordenadoria de meio ambiente do Ministério Público, mas neste momento é prematuro afirmar tal omissão, mas está sob investigação.”

2- Quem fiscaliza a barragem de Aimorés? 
(Pergunta destinada ao Consórcio UHE, que não compareceu ao evento)

3 – O Poder Executivo entrou com alguma medida cautelar, devido aos danos do rompimento das barragens?
Reposta do Prefeito Alaerte: “Temos demonstrado total compromisso com o município. Protocolei várias medidas, pedindo as autoridades competentes ações necessárias.

Na reuinião, também se pronunciaram na reunião, Pastor Rayssan Guimarães Cruz, Pastor Igreja Adventista do sétimo dia; Sra. Maria Helena Calvão Caser, representando a sociedade civil; Sr. Guaraci Matias; Sra. Zilá Silva; Sr. Paulo Daniel, representando a sociedade civil da Barra do Manhuaçu.

Acompanhe a gravação do audio completo da sessão abaixo:

• Audio da reunião da Câmara Municipal de Aimorés – Dia 16/11/2015:

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *