Instituto Terra, uma referência em Aimorés

Desde que o aimoreense Sebastião Salgado, um fotógrafo conhecido internacionalmente, resolveu transformar a área de pasto da fazenda da sua família no Instituto Terra, no início dos anos 1990, Aimorés passou a ser muito mais conhecida no Brasil e internacionalmente. Isto graças ao sucesso da instituição, hoje reconhecida a nível mundial pelo trabalho extraordinário que realiza em prol da recuperação e conservação da natureza.

No dia 20 de maio, em sessão ordinária, a Câmara Municipal de Aimorés recebeu o superintendente do Instituto Terra, sr. Adonai José Lacruz, que apresentou aos vereadores o relatório anual da instituição. Esta prestação de contas, conforme explicou o superintendente, não se trata de questão legal, mas sim moral, uma vez que o Legislativo representa a população do município.

Durante a sessão, o sr. Adonai fez uma apresentação utilizando-se inclusive de slides, mostrando uma série de dados que confirmam a atuação permanente do Instituto Terra em defesa do meio ambiente não somente em Aimorés, mas em toda a região, especialmente a compreendida no Vale do Rio Doce.

O Instituto, ressaltou o superintendente, tem como missão fundamental estimular o desenvolvimento sustentável, através da recuperação e conservação de florestas, da educação ambiental e do uso correto dos recursos naturais. 


Números mostram trabalho realizado


Alguns números relacionados ao Instituto Terra impressionam:
 
• 7.000 hectares de florestas em processo de recuperação, o que equivale a 13 mil campos de futebol. A antiga fazenda Bulcão, antes uma pastaria sem vida, hoje já é uma floresta dentro de Aimorés;
• 4 milhões de mudas produzidas;
• 700 projetos educacionais realizados, para um público superior a 70 mil pessoas;
• 35 parceiros, com a conquista de 8 prêmios na luta pela preservação ambiental;
• 172 espécies de pássaros catalogados na RPPN Fazenda Bulcão, que antes era apenas um pasto ressequido e sem vida;
• 33 espécies de mamíferos;
• 16 espécieis de repteis;
• 15 espécies de anfíbios;

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *